Erro da USAID revela planos dos EUA para derrubar governo cubano

Erro da USAID revela planos dos EUA para derrubar governo cubano

A Agência para o Desenvolvimento Internacional dos EUA (Usaid) revelou a existência de um programa subversivo de seis milhões de dólares contra Cuba. Informação foi conhecida devido a um erro ao usar uma linha desprotegida para enviar documentos para diplomatas estadunidenses em Havana. O plano era parte da campanha semiclandestina para derrubar o regime comunista.

 "O programa para Cuba da Usaid não tem nada classificado, nós simplesmente o executamos de uma forma discreta para ajudar a garantir a proteção de todos os envolvidos", disse Karl Duckworth, porta-voz da Usaid.

“O programa para Cuba da Usaid não tem nada classificado, nós simplesmente o executamos de uma forma discreta para ajudar a garantir a proteção de todos os envolvidos”, disse Karl Duckworth, porta-voz da Usaid.

O Material detalha que a entidade lançou em julho passado a iniciativa SOL-OAA-13-000110 e pelo menos 20 ONGs solicitaram fundos para o programa que consistia em treinar dissidentes de Cuba nos próximos três anos, com um recurso de US$ 6 milhões. O objetivo era oferecer oportunidades para os adversários da revolução viajarem para o exterior, onde adquiririam habilidades técnicas em uma “série de áreas consideradas importantes para o desenvolvimento da democracia e da sociedade civil” cubana , em clara subversão da ordem política.

Ao tomar conhecimento do fato, a Usaid alegou que não aconteceu nada de ruim, argumentando que o governo dos EUA nunca classificou programas pró-democracia em Cuba como secretos e sequer confidenciais.

No documento vazado, de mais de 200 páginas, havia a história completa do trabalho anterior realizado pela agência em programas pró-democracia em Cuba, e os nomes de alguns candidatos a receber treinamento, além dos locais onde poderiam ser treinados.

Ao tomar conhecimento do fato, a Usaid alegou que não aconteceu nada de ruim, argumentando que o governo dos EUA nunca classificou programas pró-democracia em Cuba como secretos e sequer confidenciais: “O programa para Cuba da Usaid não tem nada classificado, nós simplesmente o executamos de uma forma discreta para ajudar a garantir a proteção de todos os envolvidos”, disse Karl Duckworth, porta-voz da Usaid.

Mas os próprios documentos da agência destacam preocupações de segurança relacionadas com o programa: “dada a natureza do regime cubano e a suscetibilidade política do programa da Usaid, a agência não pode ser responsabilizada por qualquer prejuízo ou inconveniência sofrida por indivíduos que viajam para a ilha com fundos da Usaid”, diz um contrato da agência.

A Usaid é um dos braços da Casa Branca, que utiliza seus serviços de inteligência para obter informações sobre os países da América Latina e influenciar a sua política interna e externa.

O erro

Em setembro, os funcionários da Usaid avisaram os candidatos aos US$ 6 milhões que suas solicitações haviam sido enviadas a diplomatas em Havana por uma linha não codificada.

No fim de agosto, os funcionários da agência chamaram os candidatos para dar a notícia de que todas as propostas foram enviadas na linha não codificada. Na ocasião, um funcionário mencionou ser possível que o “governo de Cuba tenha visto todas as propostas”. Ainda assim nenhum aspirante retirou sua postulação. Mas, após várias semanas, cada um recebeu uma carta de rejeição que não fazia menção ao erro da agência, mas qualificava suas iniciativas de ineficientes.

Usaid

A Usaid se define como uma ONG, mas na verdade é um dos braços da Casa Branca, que utiliza seus serviços de inteligência para obter informações sobre os países da América Latina e influenciar a sua política interna e externa.

Com um orçamento anual de US$ 1 bilhão, a agência serve para “moldar” as sociedades onde atuam e identificar as pessoas certas para servir a seus planos. Entre suas principais tarefas está ainda a de reforçar a política exterior estadunidense, sob o pretexto de ajuda econômica, agricultura, saúde, política e direitos humanos.

Com informações da Prensa Latina