González, um dos Cinco, desembarcou em Cuba nesta sexta

González, um dos Cinco, desembarcou em Cuba nesta sexta

Fernando González, um dos Cinco heróis cubanos presos nos Estados Unidos por coibir práticas terroristas perpetradas por cubanos radicados em Miami, chegou a Cuba nesta sexta-feira (28) e foi recebido, ainda no aeroporto, pelo presidente Raúl Castro.

González foi o segundo dos Cinco a sair da prisão, depois de René González. Gerardo, Antonio e Ramón seguem presos em penitenciarías dos Estados Unidos, motivo pelo qual continua a ampla campanha mundial por suas libertações.

Apesar de ter manifestado alegria por estar de volta a Cuba após 15 anos de prisão, González afirmou que só estará completamente feliz quando seus companheiros também forem libertados: “A felicidade é grande, mas falta um pedaço e será completa quando também voltarem à pátria Gerardo, Ramón e Antonio”, declarou.

Presidente Raúl Castro recepciona Fernando Rodríguez

Humildemente, González agradeceu às milhares de pessoas, em especial crianças e jovens que lhe escreveram para expressar solidariedade, mas esclareceu que nunca as pode responder. Estas mensagens foram, segundo ele, “sempre um tremendo estímulo”.

O antiterrorista cubano também agradeceu jornalistas e meios de comunicação que denunciam ao mundo a injusta condenação que receberam, e também aos funcionários do Ministério de Relações Exteriores, tanto de Cuba quanto dos Estados Unidos que os acompanhou.

“Mas, falta muito por fazer”, afirmou em alusão à batalha que deve ser travada enquanto os outros três não forem também libertados.

Os Cinco cubanos foram presos em 1998, nos Estados Unidos por espionagem, quando na verdade, os doze integrantes da Rede Vespa monitoravam as ações de grupos anti-cubanos que promoviam ações terroristas na ilha caribenha.

De acordo com o jornalista e escritor Fernando Morais, em seu livro “Os Últimos Soldados da Guerra Fria”, “em cinco anos, [os grupos terrorista de Miami] realizaram 127 ataques que incluíam atentados a bomba nos melhores hotéis e até rajadas de metralhadoras disparadas de lanchas vindas de Key West contra turistas estrangeiros em praias cubanas”.