“O melhor para a América Latina é quando os EUA não se metem”, diz Pepe Mujica

“O melhor para a América Latina é quando os EUA não se metem”, diz Pepe Mujica

O presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, afirmou que o melhor que os Estados Unidos fazem pela América Latina é se ausentarem. A declaração foi proferida durante o “encontro sem gravata” (em referência ao estilo despojado do presidente), realizado na sede do Banco Interamericano de Desenvolvimento, em Washington.

Leia também: “Novos golpes na AL virão da mídia e de grandes empresas”, diz Lugo

“Na América Latina o que mais nos serve da política dos Estados Unidos é quando não se metem”, afirmou o presidente diante de uma plateia de empresários, estudantes e jornalistas.

Ouça também Rádio Maíz (programa #09): América Latina pelo mundo

A declaração é uma resposta à questão formulada por um jornalista da BBC a respeito dos aspectos positivos da política antidrogas dos Estados Unidos na América Latina.

Integração regional

Para Mujica, a America Latina deve continuar perseguindo a integração não para “prejudicar os outros”, mas para fortalecer relações sociais e políticas.

Durante sua viagem a Washington de quatro dias, Mujica se encontrou com o presidente Obama

Durante sua viagem a Washington de quatro dias, Mujica se encontrou com o presidente Obama| Foto: Presidência do Uruguai

Organismos multilaterais como a Unasul têm suas limitações, mas são uma experiência necessária e a “antessala de uma conquista maior”, afirmou. Uruguai “estará onde tiver que se juntar”, porque “o mundo deve lutar para se integrar”.

Leia também: Panamá realiza eleição presidencial sem questionar problemas cruciais do país

Mujica disse que “não vamos mudar” a natureza dos Estados Unidos “com gritos histéricos nem lamentando”, por isso o Uruguai e o resto da América Latina vive mais interconectada e deve cultivar a “interdependência para não depender de ninguém”.

“A ideia é conseguir um sistema de relações políticas e sociais fortes entre nós, para poder ser algo (como região)”, explicou.

Veja o vídeo na íntegra (em espanhol):