Segunda parte: Para não esquecer 1964

Segunda parte: Para não esquecer 1964

No segundo programa do especial da Rádio Maíz: Ouvidos abertos aos sons da América Latina!, tentamos através das próprias canções narrar uma história linear, música a música, da atmosfera social e política que delineou os tempos do golpe cívico-religioso-militar brasileiro.

Ouça aqui o primeiro programa.

 A situação do homem do campo, vítima de exploração latifundiária cantada pelo Maranhense João do Vale, “O poeta do povo” na música “Sina do caboclo”, abre o programa para fazer alusão a uma pauta importantíssima das chamadas “Reformas de base” anunciadas pelo então presidente da república João Goulart, deposto poucos dias após discursar para o povo no comício de 13 de março de 1964, na famosa estação Central do Brasil no Rio de Janeiro.

Ouça os outros programas da Rádio Maíz

Programa #006

João do Vale (BRA) – “Sina de caboclo”

Atahualpa Yupanqui (ARG) – “Campesino”

Atahualpa Yupanqui (ARG) – “Preguntitas sobre Dios”

Chico Buarque (BRA) – “Deus lhe pague”

João do Vale e Chico Buarque (BRA) – “Carcará”

Maria Bethania – Gilberto Gil (BRA) – “Viramundo”

Os Mutantes (BRA) – “Panis et Circencis”

Elis e Ivan Lins (BRA) – “Cartomante”

Milton Nascimento – Lo Borges (BRA) – “Nada será como antes”

Edu Lobo (BRA) –“ Ponteio”

Belchior (BRA) – “Apenas um rapaz latino”

Chico Buarque (BRA) – “Apesar de você”

Elis (BRA) – “O bêbado  e o equilibrista”

Rita Lee (BRA) – “ Alô, alô marciano”

Cordel do Fogo Encantado (BRA) – “A Matadeira”

Discurso de Jango na Central do Brasil  em 1963